HOME-OFFICE: UMA BOA ALTERNATIVA OU PROBLEMAS À VISTA?

HOME-OFFICE: UMA BOA ALTERNATIVA OU PROBLEMAS À VISTA?

Olá!

Meu nome é Patrícia Junqueira, sou fisioterapeuta especialista em Ergonomia, com mais de 12 anos de experiência em consultoria em ergonomia. Ao longo de minha carreira atuei em empresas dos mais diversos ramos, realizando análises ergonômicas com foco em biomecânica, organização do trabalho, análise de carga e sobrecarga de trabalho física e mental, entre várias outras demandas. Realizei consutoria em empresas como: Grendene, Itaú, BBraun, LEAR Corporation, Conpacel, e também ministrando aulas no Curso de Formação de Consultores da empresa Ergo Ltda, do Prof. Hudson Couto, com quem trabalhei por mais de 7 anos.
Hoje sigo atuando como diretora na empresa ERGUER - Saúde, Gestão e Ergonomia, em consultorias diversas.

Tenho visto boa parte dos meus amigos, parentes e conhecidos trabalhando no sistema home-office. Tendência há algum tempo, mas realidade imposta agora. Rotina antiga para alguns, novidade para muitos! No momento, a alternativa é realmente essa: trabalhar de casa. Assim ficam todos mais protegidos e cada um faz sua parte!
Mas não é simplesmente carregar o computador da empresa para casa e mãos à obra!

É necessário, de fato, preparar-se para esse novo contexto de trabalho (em ergonomia é a chamada "organização do trabalho"). Mas, nem sempre é fácil organizar o trabalho adequadamente para se dizer que temos uma situação "ergonomicamente correta".
Para uma boa ergonomia no home-office não basta ter uma boa mesa e uma boa
cadeira. É preciso preparar todos os fatores que interferem na execução das atividades
de trabalho. Dentre eles destacam-se:

  • Tecnologia,
  • Maquinário,
  • Manutenção,
  • Método.

Quando a atividade executada por um trabalhador é bem estudada, é possível prever os recursos necessários para sua correta e produtiva execução, sem que haja dificuldades que impeçam sua realização ou a tornem um verdadeiro problema.
A grande questão nesses tempos de home-office com pouco ou nenhum planejamento, devido à urgência da situação, é que essas dificuldades aparecem e os problemas tornam-se críticos ou até mesmo impeditivos na realização do trabalho.

Algumas dessas questões são: haverá espaço com mesa e cadeira adequada para trabalho na postura sentada? O local será livre de interferências, especialmente ruído?
A empresa vai fornecer um notebook, ou o trabalhador irá usar o de casa? Terá acesso fácil à internet e telefone? Será viável instalar um determinado sistema ou programa nesse computador que permitam acesso aos dados necessários para a execução do trabalho? E a rotina de trabalho: como será? Os horários serão livres e a cobrança será por demanda, ou os horários serão fixos? Como manter tempos de paradas e alternância de posturas? E a cobrança de resultado, como fica? Essas questões podem sim ser controladas, para que a atividade seja bem planejada, com conforto e boa produtividade, atendendo aos requisitos mínimos de ergonomia.

O que complica ainda mais esse cenário é que, além das questões críticas não pensadas em relação ao planejamento do trabalho em si, há ainda outras questões inerentes ao momento de crise de pandemia da COVID-19. Há também outras demandas simultâneas, como cuidar dos filhos e manter a rotina da casa, tarefa muitas vezes delegadas a uma outra pessoa que agora não estará presente, culminando em acúmulo de funções.

Estamos preparados para lidar com isso? As decisões foram tomadas com pouco tempo para planejamento, mas têm impactos importantes que precisam ser estudados e bem entendidos. Assim, será possível buscar alternativas para que, ao final de todo esse processo, tudo esteja bem, sem comprometimento dos resultados das empresas, mas sem impactos negativos na vida profissional e pessoal das pessoas envolvidas.
Home-office na era da Pandemia da COVID-19: tema de relevância, que vou explorar em conteúdos que estou desenvolvendo e irei compartilhar com vocês! Vamos abordar em detalhes:

  • os problemas e desafios do home-office;
  • como a ergonomia tem impacto importante nos fatores de organização do trabalho (analisando os fatores tecnologia, maquinário, manutenção e método);
  • carga mental de trabalho, que se torna ainda mais crítica quando associada aos fatores psicológicos advindos da dificuldade em encarar essa nova realidade imposta pela pandemia do COVID-19.

No próximo material, vamos falar sobre "Os problemas e desafios do home-office na
era da Pandemia da COVID-19".

Caso queira uma consultoria específica para a sua situação, entre em contato por e-mail (erguer@erguer.com.br) ou me chame no whataspp (31) 99124-9099.
Compartilhe:
ERGUER – Gestão, Saúde e Ergonomia © 2007 - 2020