OS PROBLEMAS E DESAFIOS DO HOME-OFFICE NA ERA DA COVID-19

OS PROBLEMAS E DESAFIOS DO HOME-OFFICE NA ERA DA COVID-19

OS PROBLEMAS E DESAFIOS DO HOME-OFFICE NA ERA DA COVID-19

Conforme mencionado no artigo anterior, o home-office não é simplesmente carregar o computador da empresa para casa e mãos à obra! Para adaptar uma realidade de trabalho, é preciso, antes de mais nada, conhecê-la bem. Quando não se conhece bem o que de fato a atividade exige, é difícil prever a forma correta de organizá-la para obtenção dos melhores resultados.

É necessário preparar-se para esse novo contexto de trabalho. E, como o home-office foi instituído às pressas, para conter a epidemia, esse estudo da "organização do trabalho" não foi realizado na maior parte dos casos. O estudo da organização do trabalho é o conjunto de ações feitas pelos gestores e facilitadores para que a
prescrição do trabalho (planos e metas) ditada pela empresa seja cumprida (COUTO, 2020).

Num primeiro momento, cabe a discussão de problemas e situações de grande impacto na realização do trabalho em casa, oriundos das questões geradas pelo isolamento social. As questões específicas da organização do trabalho serão detalhadas em um segundo momento, no próximo artigo.
A grande questão do home-office atual são as demandas simultâneas inerentes ao momento vivido: o trabalho e as funções de casa, tudo ao mesmo tempo! Como organizar uma nova rotina de trabalho, cheia de novidades e desafios, e ao mesmo tempo cuidar dos filhos e manutenção da casa?

Quem já fazia home-office antes da Pandemia da COVID-19 já sabia das dificuldades de realizar todas essas tarefas simultaneamente, mas essas pessoas tiveram tempo para se organizar. Para que pudessem focar no trabalho de forma adequada e produtivas, as pessoas contrataram serviços de diaristas, babás, creches ou escolas para os filhos, preparo com antecedência das refeições, enfim, essas pessoas se programaram para essa rotina. 

No caso do home office imposto sem tempo para programação, houve uma enxurrada de dúvidas: como estabelecer o esquema de trabalho, com rotinas e horários a serem cumpridos? Quem define essa rotina, eu ou a empresa? Faz sentido seguir os mesmos horários do escritório? Como terei tempo de cuidar da casa e dos filhos e ser produtiva ao mesmo tempo? Como focar no trabalho quando há crianças brincando ou chorando? Como tomar decisões importantes ou fazer uma conference call com uma televisão ligada e outros ruídos da casa, além das interrupções? Como fazer para respeitar os tempos de paradas e alternância de posturas, para que não haja excesso de trabalho e fadiga acumulada? Como será a cobrança de resultados em tempos de crise?

São muitas as situações, e elas são bastante variáveis, pois cada pessoa e cada família tem uma rotina particular. Esses são os grandes desafios no estudo para uma solução, pois como pode a empresa criar um padrão único de orientação para o home-office se cada casa tem uma realidade específica?

O momento seria ideal para a realização das famosas análises ergonômicas. Mas a urgência da situação não permite que isso aconteça. O que fazer então? Como tentar buscar adaptação para as situações de trabalho para que se possa trabalhar de forma segura, confortável e produtiva?

Não vamos conseguir ter todas essas respostas sem estudo, discussões e experimentos. Mas também não podemos ficar de mãos atadas enquanto as pessoas seguem para um estado de acúmulo de fadiga, estresse e tensão.

Precisamos buscar alguma alternativa para atenuar a situação crítica gerada pelo home-office não planejado e organizado, que, apesar de temporária, não pode ser ignorada. A Ergonomia pode nos trazer alguma "luz no fim do túnel". Ergonomia, classicamente definida como adaptação do trabalho às pessoas, também pode ser
entendida como flexibilização do trabalho.

Flexibilidade nesse momento atípico é uma boa alternativa.
Nunca vivemos algo como o isolamento social emergencial antes, então não temos respostas e soluções para o que ele traz de problemas e impedimentos. O que sabemos é que é necessário nos cuidar e nos manter ativos no trabalho.

Uma alternativa é entender as rotinas de trabalho e da casa e estudar cada item com base nos fatores de organização do trabalho (itens a serem discutidos, de forma mais aprofundada, no próximo artigo). Primeiramente, é preciso fazer uma lista das atividades prioritárias do dia-a-dia, incluindo, especialmente, as atividades que não podem ser postergadas e são obrigatórias. Nessa lista devem estar tanto as atividades de trabalho como as da rotina da casa.
É preciso entender:

  • Quais as atividades rotineiras obrigatórias?
  • Quais delas precisam ser realizadas em um horário fixo?
  • Quais delas poderiam ser realizadas em horários flexíveis?
  • Qual o tempo dedicado, em média, a cada uma dessas atividades?
  • Tenho espaço físico adequado para executar essas atividades?
  • Há materiais ou ferramentas que me auxiliam na execução dessas atividades?

Com base nas respostas para as questões acima, podemos, enfim, iniciar o estudo da organização do trabalho, para conseguir buscar as tais adaptações às situações de trabalho, flexibilizadas para cada realidade. Faça sua lista e até o próximo artigo!
Vamos bater um papo sobre isso!? Se você é responsável por uma empresa e quer um suporte de como gerenciar essas situações e seus colaboradores, ou mesmo um autônomo ou levou o trabalho de sua empresa para casa, vamos conversar sobre o assunto!

A consultoria é gratuita. Telefone e Whatsapp: (31) 99124-9099
E-mail: erguer@erguer.com.br
Compartilhe:
ERGUER – Gestão, Saúde e Ergonomia © 2007 - 2020